terça-feira, 5 de maio de 2015

Quando o consulente exige que as cartas digam o que quer ouvir

De vez em quando me chega um cliente autoritário, querendo controlar o que as cartas dirão. Infelizmente, não é assim que funciona. Ou será felizmente? Afinal, o que é melhor: ouvir a verdade e se libertar de uma ilusão ou continuar acreditando em algo que anima o ego, mas que nunca trará felicidade, posto que é mentira?
Eu entendo que muitas vezes é difícil admitir que um relacionamento acabou, que determina pessoa nunca voltará, que nossa saída do emprego foi culpa nossa mesmo. Porém, qual é o crescimento real, se não pudermos aprender com nossos erros? Se não pudermos nos tornar mais fortes frente às dificuldades?
Já me perguntaram, inclusive, se as cartas mentiam. Não, as cartas não mentem. Mas, nós, seres humanos, o fazemos, sempre que a verdade não nos é conveniente.
Por isso, tome cuidado ao perguntar várias e várias vezes ao Tarô e a tarólogos diferentes a mesma pergunta. Numa dessas você pode até ouvir o que deseja, porém, ficará verdadeiramente satisfeito? Isso lhe trará paz de espírito a sua angústia?

PERGUNTAS PARA A VIDA


PERGUNTAS PARA A VIDA

Qualquer pessoa, seja homem ou mulher, de qualquer profissão, de qualquer religião e de qualquer classe social deve responder para si mesmo algumas perguntas básicas sobre a vida, se um dia quiser viver em paz interior. Responda essas doze perguntas com toda a sinceridade, e veja qual é o resultado:
São as suas coisas e bens que te possuem ou você possui as suas coisas e os seus bens?
...
Você dá mais valor às aparências, à forma, à apresentação, ao exterior, ou dá mais valor à essência?
Você cria necessidades ilusórias de coisas que não precisa, ou consegue viver bem apenas com o necessário?
Você cria muitas expectativas sobre as pessoas e a vida, ou não espera que a vida ou as pessoas correspondam ao que você deseja?
Você acredita que é vítima das circunstâncias, da sorte ou do azar, ou entende que é responsável pela sua vida?
Você faz o bem esperando ganhar algo em troca, ou o bem realizado já é o ganho que você esperava?
Você deseja impor as suas verdades a outros, ou aceita as verdades dos outros com respeito?
Você sacrifica sua vida interior visando algumas conquistas mundanas, ou sacrifica algumas conquistas mundanas visando paz na sua vida interior?
Você reclama do que tem achando que a vida tem obrigação de lhe dar mais, ou agradece o que a vida te deu e procura fazer o melhor com o que tem?
Você foge de si mesmo e do enfrentamento de suas imperfeições, ou aceita mergulhar em seu interior para resolver suas más inclinações?
Você se acha melhor do que a média das pessoas, ou tem humildade e aceita trabalhar a si mesmo para se tornar alguém melhor para si mesmo e para os outros?
Você ainda acredita que suas maiores conquistas são exteriores, ou já entendeu que suas maiores conquistas são interiores?
Analise bem essas doze perguntas. Se você estiver mais inclinado à primeira parte da pergunta, reveja profundamente a sua vida. Por outro lado, se você estiver mais afeito a segunda parte das perguntas, então continue assim, pois você está no caminho certo para a paz interior.